Tipos de energia: quais as particularidades de cada uma? - Solarprime

Tipos de energia: quais as particularidades de cada uma?

Tipos de energia: quais as particularidades de cada uma?
Você consegue imaginar como seria o mundo sem energia elétrica? Certamente, essa é uma tarefa difícil. Tudo o que existe em nossa volta, tudo o que fazemos — e faremos — depende, pelo menos indiretamente, dessa fonte energética. Assim, discutir sobre os tipos de energia existentes e os seus melhores é um tópico importante. Neste post, vamos abordar os tipos de energia, dando prioridade às renováveis, citando os seus prós, contras e suas particularidades. Quer saber mais sobre alguns dos tipos mais comuns de energia? Então, continue a leitura!

Tipos de energia

Como a vida como conhecemos depende da energia, é preciso debater o seu uso. Atualmente, os combustíveis fósseis são os mais utilizados no mundo, porém, eles correm o risco de acabar e trazem malefícios ao meio ambiente. Em contrapartida, existem as fontes de energia renováveis, com menores impactos ambientais. Para pensar melhor sobre o uso da energia, é necessário entender mais sobre cada um dos tipos, começando pela diferença entre os combustíveis fósseis e os renováveis.

Combustíveis fósseis

Os combustíveis fósseis consistem em restos de organismos em decomposição, que sofreram uma série de processos naturais por milhares e milhares de anos. Eles foram acumulados em camadas interiores do solo, e o resultado desses processos gera o que conhecemos hoje por petróleo, carvão mineral e gás natural. Todos eles são fontes de energia de fácil manuseio, alto rendimento e baixo custo, sendo, por isso, os mais utilizados. Entretanto, essas fontes apresentam alguns problemas consideráveis. Como já dito, elas não são renováveis ou, em outras palavras, são combustíveis com quantidade limitada, que podem se esgotar em bem pouco tempo. Isso ocorre porque o processo de formação dessa matéria leva milhares de anos, não podendo ser regenerada em nosso tempo de vida na Terra. Além disso, eles colocam o meio ambiente em risco: o processo de extração e manejo dos materiais impacta os locais, assim como a queima do combustível gera gases que agravam o efeito estufa e colaboram com o aumento de chuvas ácidas.

Fontes renováveis

Diferentemente dos combustíveis fósseis, as fontes de energia renováveis são feitas de recursos ilimitados, ou seja, que não vão acabar (ao menos não tão cedo na vida do nosso planeta!). Elas surgem como uma forma de substituição, pois, além de serem renováveis, produzem menos impactos ambientais. É preciso ressaltar, no entanto, que algumas dessas fontes podem não ter o rendimento tão alto se comparadas aos combustíveis fósseis. Além disso, elas exigem um investimento maior, além da dependência estrita dos fatores naturais que as originam. Como se apresentam de formas variadas, serão abordadas as suas vantagens e desvantagens nos tópicos a seguir.

Energia Hidrelétrica

A energia hidrelétrica é a mais utilizada no Brasil, sendo obtida por meio das usinas hidrelétricas. Essas usinas são construídas em locais com grandes rios, onde são criadas barreiras para que as águas movam turbinas, gerando, assim, energia elétrica. Essa é uma energia com um retorno bem alto e de baixo custo. Ela tem rendimento por volta de 90% do total captado inicialmente. Além disso, ela causa poucos impactos ambientais já que a água do rio é sempre utilizada na usina. O grande problema é a forma com que é utilizada. Ela pode atrapalhar a fauna presente no rio, a vida vegetal dos arredores e o próprio curso das águas (atrapalhando comunidades vizinhas). Outras desvantagens são o custo de construção da usina e a dependência do impacto das chuvas no rio, considerando que há períodos de seca em várias regiões.

Energia eólica

Esse tipo de energia tem um potencial muito grande. Ele não precisa de grandes construções e espaços enormes: é composto apenas de uma grande turbina que converte a força dos ventos em energia elétrica. A energia eólica tem baixo custo, gera poucos resíduos, não requer manutenção frequente e não emite gases ou dejetos poluentes. Contudo, as turbinas emitem sons altos, sendo necessário que sejam construídas em lugares isolados. Outro ponto negativo detectado é a possibilidade de alteração da migração dos pássaros da região onde foi instalada.

Energia solar

Assim como a eólica, a energia solar tem sido uma alternativa muito utilizada. Ela consiste na captação da luz solar por painéis fotovoltaicos que convertem a luz em energia elétrica. Há, também, a energia solar térmica, que é usada apenas para aquecimento, sem produzir eletricidade. A principal vantagem da energia solar é a sua praticidade. É possível que ela seja instalada nos mais variados locais, não precisando de áreas vastas. Além disso, ela não gera ruídos, podendo ser implantada em regiões habitadas. Tem uma vida útil grande, com a necessidade apenas de pequenas manutenções. Contudo, é necessário um investimento inicial considerável — o qual é rapidamente retornado, devido à economia na conta de luz. Outro ponto de atenção é a dependência direta da incidência da luz solar. Isso faz com que a variação climática possa alterar o rendimento dessa fonte de energia, ainda que o Brasil seja um país privilegiado nesse sentido.

Energia geotérmica

A energia geotérmica é realizada por meio de mecanismos com turbinas que captam o vapor das atividades geotérmicas da Terra — como gêiseres, fontes naturais e vulcões —, e o transformam em energia elétrica. O seu impacto ambiental é quase nulo, pois não emitem quantias consideráveis de carbono, não impactam a flora e a fauna locais e emitem poucos rejeitos. O seu rendimento é extremamente eficiente, além do seu custo de manutenção ser pequeno. O grande problema é que são poucos os locais que têm acesso a essa fonte energética. Existem poucos campos geotérmicos espalhados pelo mundo, diferentemente da luz solar e dos ventos, que ocorrem em todo o globo.

Energia de biomassa

O processo da biomassa é muito similar ao dos combustíveis fósseis. Ele consiste em uma massa composta por restos de organismos vivos, geralmente vegetais, no qual a sua combustão gera energia elétrica ou térmica. A diferença entre ela e os combustíveis fósseis é o tempo. A biomassa não passou por milhares de anos de decomposição, isso faz com que a emissão de carbono e, consequentemente, a eficiência energética sejam menores. Sua vantagem é a diversidade. Ela pode ser feita a partir de diversas matérias-primas, inclusive de restos de outros processos, como o bagaço da cana-de-açúcar da produção do etanol. Um problema é que o seu rendimento depende de uma quantidade elevada de massa, se comparada com a queima do carvão, por exemplo. Além disso, o uso de energia vindo apenas da biomassa se tornaria um investimento relativamente caro.

Energia termelétrica

A energia termelétrica é aquela produzida a partir da queima de um combustível que aquece a água, produz vapor e movimenta as turbinas de um gerador de eletricidade. Este é um tipo de energia que divide opiniões, já que os combustíveis mais utilizados nas usinas termelétricas são de origem não-renovável, como o carvão mineral, o gás natural e o petróleo. Além disso, o funcionamento das usinas termelétricas demanda grandes volumes de água e emite poluentes (dióxido de carbono) para a atmosfera. Entre os pontos positivos, contudo, destaca-se que essas usinas ocupam áreas pequenas e podem alcançar um nível de produtividade duas vezes superior ao das hidrelétricas. Não é à toa que a maior parte da energia produzida no mundo é de fonte termelétrica, especialmente nos países mais desenvolvidos.

Energia nuclear

A energia nuclear é um delicado e polêmico tipo de energia, obtido a partir da fissão do núcleo dos átomos de urânio enriquecido em duas partes, o que provoca a liberação de uma grande quantidade de energia. Entre os aspectos positivos dessa fonte, pode-se citar que a energia nuclear tem reservas superiores às de combustíveis fósseis, ao mesmo tempo em que requer menores áreas para a sua produção. Ela não contribui com o efeito estufa e confere maior independência energética aos países. Quanto às desvantagens, ressalta-se que os custos de construção da usina são altos, o descarte do lixo atômico é algo delicado e os acidentes com liberação de material radioativo podem provocar doenças e mortes, como o ocorrido em Chernobyl, na Ucrânia, em 1986. Além disso, existe o risco de essa fonte ser utilizada na construção de armas nucleares.

Energia maremotriz

A energia maremotriz tem uma dinâmica bem parecida com a energia hidrelétrica. A diferença é que, neste caso, as barragens são construídas junto ao mar, e não às represas e rios. Os diques captam água durante a maré alta e a liberam durante a maré baixa, fazendo com que o líquido passe por uma turbina geradora de eletricidade durante esse movimento. A energia maremotriz apresenta basicamente os mesmos benefícios da energia hidrelétrica, dado que é uma fonte limpa e renovável. A desvantagem consiste no fato de que nem toda localidade apresenta as condições marítimas adequadas para a construção da barragem, pois é preciso que o desnível das marés supere 7 metros. Outros pontos negativos são o alto investimento e o aproveitamento energético reduzido. Com a crescente busca por atitudes sustentáveis, os tipos de energia renováveis, como os mencionados neste artigo, têm sido adotados cada vez mais. Conhecendo as suas particularidades, fica mais fácil introduzir novas fontes no dia a dia. Nesse sentido, vale a pena ressaltar que a energia solar, por meio dos painéis fotovoltaicos, é a energia renovável mais acessível à população em geral, já que é de instalação mais prática do que as demais e porque oferece mais economia às finanças residenciais e empresariais. Gostou de saber mais sobre as particularidades dos diferentes tipos de energia? Então, aproveite e visite o nosso website. A Solarprime é a maior franquia de energia solar do Brasil e certamente pode oferecer a você a economia que tanto deseja!
Related Posts
Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *