Energia solar em apartamento: como funciona e quais os benefícios? - Solarprime

Energia solar em apartamento: como funciona e quais os benefícios?

Energia solar em apartamento: como funciona e quais os benefícios?
Você mora em um prédio e quer saber se é possível gerar energia solar em apartamento? Então, temos uma ótima notícia! A resposta é: sim, dá para produzir energia utilizando a irradiação do sol, mesmo em um condomínio. Inclusive, existe mais de uma forma de economizar e contribuir com o meio ambiente por meio da geração de energia fotovoltaica. Sem contar que você também pode compartilhar os créditos de energia. Quer entender tudo sobre o assunto? Continue lendo este conteúdo!

Onde é possível instalar energia solar em apartamento?

Segundo o relatório de outubro de 2021, da ABSOLAR, existem mais de 600 mil sistemas de geração distribuída no Brasil. Desses, 75,8% correspondem a residências. Isso significa que, cada vez mais, as pessoas têm percebido como vale a pena investir em energia solar para consumo próprio. Afinal, além da economia na conta de luz, ela possibilita independência e pode durar décadas. Além disso, está disponível para qualquer tipo de consumidor. Por exemplo, se você quer ter energia solar em apartamento, é completamente possível criar um sistema. Para isso, é preciso considerar:
  • se o apartamento é alugado ou de sua propriedade, já que necessita de autorização do proprietário;
  • se o condomínio do prédio permite a instalação;
  • como ajustá-la com as normas da companhia elétrica;
  • onde é o melhor local para colocar os painéis.
Neste último caso, é preciso uma atenção especial. Afinal, depois de ter todas as permissões, é importante encontrar o lugar certo para que as placas solares sejam colocadas e, assim, você possa obter o máximo de incidência solar. Por essa razão, a melhor localização possível é a cobertura ou a laje do prédio, por serem áreas maiores e receberem uma boa irradiação solar. Porém, se não for possível utilizar o próprio prédio para colocar os painéis solares, outra opção é posicioná-los no solo ou em alguma parte da área comum do condomínio, como o estacionamento externo. Dessa forma, a incorporação de sistemas para a geração de energia fotovoltaica na construção civil é chamada de BIPV (Building Integrated Photovoltaics). Em português, trata-se de painéis fotovoltaicos integrados a edifícios. Nesse tipo de sistema, a conciliação entre arquitetura e eficiência energética acontece a partir do funcionamento das placas solares para a geração de energia e, também, por atuarem como elementos da construção — na forma de claraboias e varandas, por exemplo.

Quais os mitos e verdades sobre a energia solar em apartamento?

Antes de instalar a energia solar em apartamento, surgem várias dúvidas. Mas algumas delas estão relacionadas a mitos, já outras são verdade e você deve considerar para o seu projeto. Veja algumas a seguir!

Não é possível instalar nas fachadas

Mito. É possível, mas não é comum. Isso porque, além de alterar a aparência da fachada do prédio, devido à posição do sol no Brasil, o aproveitamento da energia solar seria menor do que em outro local, por exemplo, no telhado.

O sistema pode integrar a decoração

Verdade. Em prédios projetados com conceito de sustentabilidade, a inclusão de painéis solares é pensada para estar em harmonia com os outros elementos decorativos.

É necessário ter energia solar em todo o prédio

Mito. A energia solar pode ser adequada a qualquer tipo de projeto. Isso significa que existem várias possibilidades e você pode aproveitá-la tanto de forma individual, quanto coletiva.

É possível instalar fora do prédio

Verdade. Como existe a opção de autoconsumo remoto, é possível colocar os painéis em outro local, como um terreno vizinho, para gerar a energia. Porém, para os créditos serem compensados, é preciso que a unidade consumidora e a propriedade geradora estejam no nome da mesma pessoa.

Quais são as soluções para instalação individual de energia solar em apartamento?

Existem algumas soluções para demandas individuais na instalação de sistemas fotovoltaicos. Abaixo, conheça as principais opções.

Na varanda

Caso sua varanda tenha um espaço livre, dá para instalar as placas solares utilizando o sistema de fixação do tipo usina, em forma triangular. A dificuldade fica apenas a cargo do sombreamento que pode acontecer na sacada. Afinal, provavelmente o prédio ou a própria mureta fazem sombra na área em algum momento do dia. Por essa razão, o cenário perfeito é uma varanda que fique sempre sem sombras. Mas vale lembrar que, mesmo com momentos de sombreamento, é possível produzir energia elétrica utilizando a irradiação do sol. Nesse caso, seu sistema fará a geração de energia por menos tempo em um dia.

Na cobertura

Quem mora em cobertura conta com um lugar perfeito para colocar seu sistema de energia solar em apartamento, pois tal tipo de imóvel costuma ter uma boa área de telhado ou laje. Como dissemos, esse é o local ideal para instalar painéis solares por apresentar níveis de captação de irradiação muito próximos do que vemos em casas. Uma instalação do tipo permite que a energia solar gerada seja consumida somente pela própria cobertura ou compartilhada entre todos os outros apartamentos. Isso dependerá do que foi acordado entre os condôminos e da potência do sistema.

No quintal

Existem condomínios nos quais os edifícios têm apartamentos térreos, que também são ótimas localizações para o sistema de energia solar. Nela, utiliza-se um tipo de fixação específico — que serve tanto para solo quanto para laje. Existe apenas um cuidado importante a ser tomado. Procure estudar o nível de sombreamento do lugar, pois árvores ou sombras de outras construções podem fazer com que o projeto seja inviabilizado, devido à baixa capacidade de geração de energia.

Como funciona esse tipo de instalação?

Antes de optar por instalar um sistema de energia solar em apartamento, pesquise a reputação da empresa para saber qual é sua experiência nesse mercado. Qualquer equipamento do tipo deve ser instalado apenas por técnicos especializados. Depois que a instalação for concluída, a irradiação solar já pode ser utilizada para a geração de energia. Ela é tratada por meio do inversor de frequência, que a distribui em direção ao relógio bidirecional, equipamento responsável por analisar a potência que os apartamentos demandam. Com a energia produzida, o relógio de luz só acusará algum valor a ser pago à distribuidora se o consumo das unidades habitacionais do edifício for maior do que a capacidade máxima de geração do sistema. Por outro lado, no caso de sobrar energia solar, será possível cedê-la para a distribuidora, que contabilizará os devidos créditos a serem abatidos das faturas de luz. Durante a noite, não há produção de energia devido à ausência de irradiação solar. Inclusive, essa é a única condição que pode levar seu apartamento a depender da compra de luz elétrica.

De que forma a energia gerada pode ser creditada?

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) elaborou a Resolução Normativa 687, a fim de estabelecer o funcionamento dos créditos de energia individual e coletivo. Veja a seguir.

Autoconsumo remoto

É permitido que o consumidor use um lugar diferente dos pontos de consumo para colocar o sistema de energia solar. Para tanto, os créditos devem ser compensados e instalados no mesmo setor de concessão e CPF.

Geração compartilhada

Fica autorizada a compensação dos créditos da geração de energia solar em apartamento de outras pessoas, mas é necessário que o vínculo entre as partes seja comprovado. A relação pode ser entre a família ou vizinhos.

Geração em condomínio

Se o telhado (ou laje) do prédio for pequeno, o condomínio pode dividir a produção de energia solar entre seus apartamentos. O abatimento dos créditos ocorre diretamente na conta de luz de cada unidade consumidora, contanto que a energia esteja sendo produzida dentro do condomínio.

Que equipamentos são necessários para gerar energia solar em apartamento?

Um sistema de geração de energia solar é composto pelos seguintes itens:
  • painel solar: são as placas que transformam a irradiação do sol em energia;
  • inversor de frequência: é o instrumento incumbido de tratar a energia produzida pelo painel, para que os apartamentos possam consumi-la;
  • relógio bidirecional: tem o mesmo papel do relógio da energia elétrica — a diferença é que esse equipamento mede o consumo dos apartamentos e a energia emprestada à distribuidora;
  • equipamentos acessórios: correspondem ao cabeamento, aos disjuntores de proteção e aos quadros do sistema de energia solar.

Quais são os benefícios do investimento em energia solar em apartamento?

Se você ainda tem dúvidas sobre se vale a pena investir em energia solar em apartamento, é importante destacar alguns benefícios que essa tecnologia pode oferecer. Descubra a seguir!

É uma energia sustentável e com retorno

A energia solar é considerada limpa e renovável, portanto contribui para a preservação do meio ambiente. Além disso, um sistema fotovoltaico vem com a garantia de até 25 anos das fábricas, o que assegura o retorno do investimento feito.

O cuidado com o sistema é simples

O sistema conta com poucos equipamentos, sendo que essa simplicidade se traduz em uma instalação ágil e os gastos com manutenção são bastante reduzidos, contribuindo para que o dinheiro aplicado volte rapidamente.

Promove economia garantida

Um dos maiores motivos para a instalação de energia solar em residências se relaciona ao bolso, precisamente com a economia na conta de energia. Afinal, essa tecnologia pode reduzir sua conta em até 95%, algo significativo, visto que as tarifas cobradas no Brasil estão entre as mais caras do mundo.

Valoriza o imóvel

Atualmente, edificações com soluções sustentáveis, como a energia solar, são muito mais valorizadas. Afinal, os benefícios que ela promove são vistos como vantagens, o que faz o imóvel ter um maior valor tanto na venda quanto no aluguel.

Tem excelente custo benefício

custo de instalação de energia solar vai depender muito do local onde você vai colocá-la, bem como quantos aparelhos funcionarão com ela. Em geral, um sistema doméstico, para quem gasta cerca de R$350 de energia, pode equivaler atualmente a R$15 mil. Considerando que ele pode se pagar entre 3 a 8 anos, dependendo do sistema e incidência solar, você ainda teria um grande salto positivo. Por exemplo, se o sistema se pagar em 5 anos, você ainda terá 20 anos, no mínimo, para aproveitar os benefícios da energia solar, antes que algum painel possa perder sua funcionalidade. Como vimos, a geração distribuída no Brasil corresponde em maior número a residências. Afinal, são projetos adequados a qualquer tipo de propriedade e que trazem inúmeros benefícios para o consumidor. Inclusive, é possível gerar energia solar em apartamento, o que pode beneficiar tanto os moradores quanto o próprio condomínio. Afinal, certamente as unidades habitacionais serão mais valorizadas e aproveitarão as vantagens de uma conta de luz mais barata. Gostou do post? Deixe nos comentários suas dúvidas sobre o uso residencial de energia solar!
Related Posts
Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *