Energias renováveis: tudo o que você precisa saber sobre elas

Energias renováveis: tudo que você precisa saber

Energias renováveis: tudo que você precisa saber

A energia renovável é o principal recurso a favor da redução das emissões de gases de efeito estufa. Preocupação mundial, o aquecimento global tem sido a maior motivação para o crescente incentivo da utilização de energias renováveis em todo o planeta.

Além de serem essenciais para perpetuar as condições de vida na Terra, as fontes de energias renováveis são alternativas inteligentes para a redução efetiva dos custos com energia, tanto na geração, quanto no consumo.

Apenas 40% da energia no Brasil é gerada por fontes renováveis. No entanto, a conscientização da sociedade, em conjunto com o desenvolvimento de novas tecnologias de geração de energia, tem colaborado para a expansão do uso das energias renováveis para além do âmbito industrial e predial, chegando também às residências.

Por definição, toda energia gerada por fontes naturais com capacidade de renovação, que seja infinita, é considerada energia renovável. Neste post você vai conhecer as principais informações sobre as energias renováveis e descobrir como ela pode mudar a sua vida. Continue a leitura e confira!

Quais são os tipos de fontes de energia renováveis?

Ao contrário das fontes de energia tradicionais não renováveis, como a energia do Carvão, do Petróleo, do Gás Natural e do Urânio, as fontes de energia renováveis são inesgotáveis. As principais fontes desse tipo de energia, limpa e amplamente aplicável no cotidiano são:

Água

Energia Hídrica: o fluxo da água dos rios tem capacidade de gerar energia elétrica.

Luz do Sol

Energia Solar: a radiação solar pode gerar energia elétrica e energia térmica.

Algumas fontes de energia renováveis têm aplicação mais restrita devido às especificidades da sua fonte energética, como localização e características do ambiente e geografia. Exemplos desses tipos de energia:

  • Energia Maremotriz;

  • Energia Geotérmica;

  • Energia Eólica;

  • Biomassa;

  • Biodiesel.

  • Biogás;

  • Etanol.

Outro fator limitante no uso dessas energias renováveis são as interferências que elas causam no meio ambiente, como a alteração na fauna e na flora, por conta da área construída necessária. Além disso, essas energias, apesar de renováveis, podem gerar poluição visual e sonora, além de muitos outros resíduos orgânicos.

Qual a ideal para ter em casa?

Entre as fontes de energias renováveis amplamente utilizadas no Brasil, a energia hídrica tem seus aspectos negativos. O investimento necessário para a construção de gigantescas usinas hidrelétricas, além de causar muitos impactos sociais e graves impactos ambientais, restringe as possibilidades de essa tecnologia ser administrada e utilizada pela população, ainda que em cooperativas.

Sendo assim, a opção de energia renovável mais indicada para uso residencial é a Energia Solar.

No Brasil, a microgeração de energia fotovoltaica, também chamada de energia solar residencial, vem crescendo bastante e está mais presente em todos os estados, além do Distrito Federal.

Energia solar

A Energia Solar pode ser utilizada para obtenção de luz, calor e também corrente elétrica. Esse tipo de energia pode ser obtido por meio de um sistema que reúne dispositivos usados para captar e transformar a radiação solar em energia elétrica ou térmica.

O Brasil está entre os seis países no mundo com maior potencial para gerar energia solar, ocupando a terceira posição de maior insolação entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento. Dadas as características do clima e geografia do país, é viável gerar e utilizar energia solar em praticamente todo o território brasileiro.

Pesquisas apontam que a implantação oficial da energia solar no Brasil geraria uma economia de R$ 150 bilhões de recursos públicos ao longo de vinte anos. Essa economia se reflete também no bolso do consumidor, principalmente se ele tiver autonomia sobre a sua própria produção enérgica, com um sistema de energia solar em casa.

Iluminação

Utilizar a energia do Sol como fonte de iluminação natural é o mais simples dos recursos da energia solar em casa.

As formas mais comuns de captação da luz natural do Sol são claraboias, janelas, vitrais, paredes e telhas transparentes, cobogós e sistemas de iluminação natural tubular, compostos por estruturas para captação, transferência e difusão da luz.

Para aproveitar bem a luz natural do Sol, sem sofrer com a sensação térmica aumentada dentro do imóvel, é possível investir em persianas, cortinas, toldos, filmes refletores de calor para as janelas e até árvores em volta da casa.

Também é possível gerar iluminação artificial direta a partir da radiação solar, com um sistema contendo lâmpadas LED, baterias estacionárias e controlador de carga.

Energia térmica

A geração de calor a partir da luz do Sol é a maneira mais frequente de utilizar as energias renováveis do Sol como fonte de energia térmica em casa.

Os projetos arquitetônicos podem ser pensados para incluir a energia solar térmica nos projetos de interiores, a fim de dispensar o uso de fontes artificiais de calor, como aquecedores elétricos e lareiras. Essa nova área do conhecimento e aplicação da Arquitetura & Interiores chama-se Arquitetura Solar.

Já, para a finalidade de aquecimento de água para uso em piscinas, torneiras e chuveiros, é necessário captar e armazenar o calor do Sol em casa, por meio de um sistema de energia solar térmico.

Um sistema de energia solar térmico residencial contém os seguintes elementos:

  • painel solar ou tubo coletor;

  • reservatório térmico;

  • central de controle;

  • tubulação;

  • moldura;

  • bombas;

  • válvulas.

Como funciona?
Energia térmica obtida por painéis solares

O coletor tem uma cobertura transparente feita de vidro, de policarbonato ou de acrílico. É o coletor que capta a energia do Sol, esquentando a placa fotovoltaica.

A energia armazenada na placa é transferida para a água, quando essa percorre o interior dos tubos de cobre do sistema, via componentes chamados de flautas e aletas. Em seguida, a água fica armazenada em um reservatório térmico até ser utilizada.

Energia térmica obtida por tubos coletores

Os dois tubos de vidro, por onde a água circula, recebem a incidência de luz solar. Eles são conectados a vácuo e ficam encaixados em um cabeçote de aço, alumínio ou cobre, revestido com isolante térmico. Todos esses componentes são suportados por uma estrutura que os mantém na posição correta para captação da radiação solar.

Todo sistema de energia solar térmico precisa de acessórios que garantam a sua eficiência em dias de pouca ou nenhuma incidência de luz solar, tais como aquecedor a gás ou uma resistência elétrica.

Energia elétrica ou fotovoltaica

É possível gerar corrente elétrica em casa para uso de eletrodomésticos e aparelhos eletrônicos, a partir da energia da luz solar. Até o abastecimento de carros (elétricos) já é uma aplicação da energia solar.

Para captar e transformar a energia elétrica em corrente elétrica útil, é necessário utilizar um sistema de energia solar fotovoltaico, normalmente composto por:

  • controladores de carga;

  • painel fotovoltaico;

  • painel de controle;

  • cabeamento;

  • inversores;

  • moldura.

Tipos de sistema de energia solar elétrica em casa

A microgeração de energia em casa, por meio de uma “usina doméstica”, pode ser feita de duas formas:

Sistema On Grid

É o sistema mais simples e também o mais barato para a geração caseira de energia. Quando a produção de energia da “usina doméstica” não supre toda a necessidade energética do imóvel, é necessário conectar o sistema de energia solar à rede de distribuição elétrica para “troca” de carga.

Nesse sistema é possível consumir energia da rede pública, e pagar por ela, quando você não estiver gerando energia solar elétrica na sua casa, por exemplo, durante a noite. Da mesma maneira, é possível injetar na rede pública a energia elétrica que for produzida por você e não consumida no seu imóvel.

Sistema Off Grid

No sistema Off Grid, a “usina doméstica” pode ou não estar conectada à rede de energia elétrica. Independentemente disso, não há “troca de carga”. Nesse sistema, sempre, a microgeração de energia é suficiente para suprir a demanda energética do imóvel.

Como funciona?

A energia fotovoltaica pode ser gerada por meio de painéis pequenos, facilmente instalados em terrenos, casas e edifícios. Recomenda-se que a instalação seja feita, preferencialmente, no telhado, por questões de eficiência e estética.

O painel fotovoltaico é constituído de células solares (FV) que convertem a luz solar em energia elétrica, na forma de corrente contínua (CC), por processo fotoelétrico, durante o dia. O inversor FV converte a corrente CC gerada pelos painéis fotovoltaicos em corrente utilizável, chamada de corrente alternada (CA).

A corrente CA é enviada do inversor para o quadro de distribuição, estando apta para utilização doméstica e ou injeção na rede pública. Quando há baixa ou nenhuma incidência de luz solar, o sistema não gera energia. Nessa ocasião, o consumo pode ser feito na rede de distribuição (On Grid).

Todo sistema de energia solar fotovoltaico precisa de acessórios que garantam a sua eficiência em dias de pouca ou nenhuma incidência de luz solar. Um exemplo de acessório é a bateria.

Conta de luz

O leitor de luz residencial deve ser bidirecional para registrar a quantidade de energia produzida no imóvel, a quantidade de energia recebida e consumida da rede pública e também a quantidade de energia solar excedente que foi transmitida para a rede de distribuição, se for o caso. Se ocorrer esse excedente, haverá “crédito energético” na próxima “conta de luz”.

A lei de incentivo à energia solar, que é a legislação sobre a “compensação de energia”, é regulamentada pela ANEEL na RN 482/12 e prevê que o usuário deve utilizar seus créditos de energia em um prazo máximo de 36 meses.

Nos casos de sistema de energia solar em casa, a conta de luz é substituída por um relatório da Concessionária de Energia Elétrica com todas essas informações. Não há cobranças adicionais na conta de quem tem um sistema de energia solar em casa. A Lei n° 13.169 isenta o PIS e COFINS sobre a energia solar injetada na rede de distribuição.

Apesar do acordo ICMS 16, assinado pelo CONFAZ em 2015, que prevê a isenção do ICMS para microgeração de energia solar fotovoltaica gerada pelo próprio consumidor e compensado pelo consumo, os Estados do Amapá, Amazonas, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina continuam cobrando ICMS sobre a “troca” de energia que ocorre na rede elétrica.

O sistema de energia solar residencial segue normas e legislação específica, desde 2012, e deve ser regularizado junto à concessionária de energia local, por meio de uma Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) emitida por profissionais especializados.

O fornecedor do sistema de energia solar é o responsável por orientar o consumidor em relação à compra dos equipamentos necessários para a implantação do projeto, assim como é quem deve lidar com as questões burocráticas de regularização do imóvel junto à distribuidora local de energia elétrica.

Qual é a relação custo-benefício do uso de energias renováveis?

Há várias configurações possíveis na construção de um sistema doméstico de energia solar. O sistema varia de acordo com a necessidade de energia do imóvel, o tipo de energia e a sua destinação, bem como o espaço disponível para a instalação do sistema.

Para ter um sistema de energia solar em casa e gerar sua própria energia elétrica, é necessário fazer um investimento inicial na aquisição dos equipamentos para montar a sua “usina doméstica”, bem como para pagar pela elaboração profissional do projeto e também pela instalação adequada do sistema, feita por profissionais qualificados, como um eletrotécnico ou engenheiro.

Embora o custo inicial para ter um sistema de energia solar em casa seja um investimento considerável, se comparado às demais fontes de geração de energias renováveis, em contrapartida, um sistema de energia solar doméstico oferece muitos benefícios:

  • possibilidade de investir o dinheiro economizado em outros projetos;

  • modernização do imóvel de acordo com as tendências mundiais;

  • independência da prestação de serviços públicos e privados;

  • a instalação do sistema de energia solar é rápida e simples;

  • exercício de cidadania com a prática da sustentabilidade;

  • upgrade no visual do imóvel, com tecnologia avançada;

  • não estar sujeito à falta de luz na rede elétrica pública;

  • aceleração do tempo de venda do imóvel em até 30%;

  • diminuição das despesas do orçamento doméstico;

  • a geração de energia solar em casa não é poluente;

  • contribuição para preservação do meio ambiente;

  • conforto para a família (aquecimento de água);

  • redução do custo da conta de luz em até 95%;

  • a microgeração de energia solar é silenciosa;

  • valorização do valor do imóvel em até 10%;

  • sensação de autossuficiência.

Além de todas essas vantagens e da brutal redução na conta de energia elétrica, o retorno do investimento de um sistema de energia solar residencial costuma ocorrer em três anos, em média. Esse retorno é mais rápido do que no caso das demais energias renováveis.

Manutenção

A praticidade de manutenção de um sistema de energia solar representa uma das grandes vantagens no custo-benefício dessa opção de geração entre as energias renováveis.

A manutenção do sistema de energia solar não gera custo extras, nem requer reinvestimentos. A limpeza e a conservação do sistema não exigem cuidados especiais, desde que os dispositivos que compõem o conjunto sejam de qualidade.

Basicamente, é necessário apenas providenciar uma limpeza a cada seis meses, com pano úmido e sabão neutro, para eliminar eventuais resíduos, como folhagens e poeira, que não tenham sido retirados pela chuva.

A central eletrônica, desde que de boa procedência, também não necessita de ajustes frequentes.

Por que adotar fontes renováveis de energia em casa?

Entre as energias renováveis, a energia solar tem se mostrado uma solução economicamente viável para uso doméstico, além das aplicações já conhecidas nos ambientes industriais e instalações prediais, reduzindo a quase zero os custos de energia elétrica. Sem dúvida, a energia solar é a melhor opção para uso em casa, entre as energias renováveis já conhecidas.

Aplicações

Há muitas maneiras de utilizar a energia solar fotovoltaica em casa:

  • aquecimento da água em torneiras e chuveiros;

  • automatização de sistemas de irrigação;

  • chuveiro elétrico, micro-ondas e ar-condicionado;

  • energia elétrica para uso geral;

  • iluminação artificial;

  • iluminação natural.

Segurança

Os riscos de incêndio causados por componentes de um sistema fotovoltaico não são maiores do que os eventuais riscos de choque elétrico e incêndio associados a outros equipamentos elétricos.

Isso desde que o projeto tenha sido bem desenvolvido, os componentes do sistema e demais equipamentos sejam de boa qualidade e que a instalação tenha sido realizada adequadamente, por profissional habilitado.

Durabilidade

A durabilidade dos sistemas de energia solar compostos por itens de qualidade é bastante grande. Em média, esses sistemas têm capacidade de resistir às intempéries naturais e ação dos raios UVA e UVB diariamente, garantindo eficiência de 80% ao longo de 25 anos. Diante desse cenário, você investe uma única vez para usufruir dos benefícios por décadas.

Economia

Praticamente zerar a conta de luz, retomar o investimento feito em aproximadamente três anos e ainda usufruir por mais de 20 anos de um sistema solar já quitado é sem dúvida uma grande economia no orçamento doméstico.

Design

Os painéis solares, parte integrante e fundamental dos sistemas de energia solar em casa, têm um visual bastante bonito e inovador, dando um ar de modernidade aos imóveis que contêm um sistema de microgeração de energia próprio.

Cidadania

Contribuir para preservação do meio ambiente e ajudar a melhorar as condições de vida no planeta é uma decisão que, invariavelmente, vem acompanhada de muita satisfação. Fazer a sua parte, gerando a sua própria energia, sem gerar resíduos ou outro tipo de poluição, visual ou sonora, é um gesto de cidadania.

Tendência

Ter nos dias atuais um imóvel com padrão futurista, antecipando-se às tendências do mercado imobiliário, pode ser uma vantagem competitiva para quem pretende alugar ou vender o imóvel no futuro. Só como valorização de patrimônio, adequar-se ao que está por vir já é uma ação estratégica.

Aquisição facilitada

Alguns bancos, como a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) já estão oferecendo linhas de crédito para fomentar o consumo sustentável de energia no país. O consumidor, pessoa física ou pessoa jurídica, pode usar esses financiamentos para adquirir os equipamentos necessários para geração de energia renovável própria.

Instalação rápida

Na maioria dos Estados, os consumidores interessados em gerar sua própria energia elétrica precisam apresentar o projeto da microgeração de energia à concessionária de energia local.

Seguindo os prazos estabelecidos pela Resolução Normativa Nº 482/2012, da Aneel, a solicitação é analisada e respondida em até 15 dias. Se autorizada, o local precisa passar por uma vistoria realizada em uma visita técnica da equipe da concessionária local, para emissão de um relatório da inspeção. Se o relatório for favorável, a aprovação do ponto de conexão é concedida.

A instalação de toda a estrutura do sistema de microgeração, geralmente, é realizada em um único dia. Embora o processo todo leve em torno de 30 dias, o projeto pode ser executado e deve ser concluído em um prazo máximo de até 120 dias a partir da aprovação.

Profissionalização do mercado

Há diversas empresas capacitadas para fornecimento de soluções em energias renováveis, especialmente sistemas de energia solar para uso doméstico.

A profissionalização do mercado é muito importante para garantir que os projetos sejam desenvolvidos e executados apenas por profissionais com formação especializada, oferecendo mais segurança no processo, evitando prejuízos e transtornos para o consumidor.

As energias renováveis, sem dúvida, são o futuro da humanidade. Os investimentos em pesquisa e desenvolvimento de novas formas de geração de energia estão bem adiantados no sentido da chamada “energia verde”.

Estima-se que até 2040, os painéis solares fotovoltaicos residenciais representarão mais de 20% de toda a eletricidade no Brasil e esse número também crescerá muito em países como Austrália, Alemanha, Japão, EUA e Índia.

A popularização das chamadas “energias limpas” é uma tendência inegável, que já chegou ao setor público, com implantação de energia solar por painéis fotovoltaicos em mais de 50 mil casas populares construídas pela CDHU e também em mais de cinco mil escolas estaduais em todo território nacional.

Gostou desse artigo sobre energias renováveis? Será que sua casa vai fazer parte dessa revolução? Agora que você entendeu o que é energia renovável, quais são suas características e tipos, bem como as possibilidades e vantagens para sua aplicação em uso doméstico, já parou para pensar em quanto você gasta por ano com a conta de luz da sua residência?

Para saber tudo sobre energias renováveis, sistemas de energia solar e suas aplicações em uso doméstico, acompanhe o nosso blog e não perca nossas novidades!

Related Posts
Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *