Tudo que você precisa saber sobre o relógio bidirecional de energia solar - Solarprime

Tudo que você precisa saber sobre o relógio bidirecional de energia solar

Tudo que você precisa saber sobre o relógio bidirecional de energia solar
O relógio bidirecional de energia solar é responsável por contabilizar a carga energética que um imóvel gastou, como se fosse um medidor tradicional. Além disso, esse instrumento também mede o volume de energia que foi injetado na rede da concessionária. Com isso, é possível calcular o abatimento dos créditos na conta de luz ao subtrair a energia injetada da que foi usada. Um sistema fotovoltaico ongrid não pode deixar de ter esse tipo de relógio, pois ele é imprescindível para que o fluxo energético da unidade consumidora seja medido. Segundo a resolução 482/2015, o conjunto de equipamentos para geração de energia solar pode conter um medidor bidirecional ou dois medidores unidirecionais. Nesse último caso, um fica incumbido de mensurar a eletricidade ativa consumida, enquanto o outro mede a energia produzida. Este artigo fala mais sobre o relógio que executa as duas funções. Ao ler o texto, você entenderá seu funcionamento, as mudanças na conta de energia elétrica e as razões da diferença entre a energia injetada e consumida. Prossiga e absorva mais esse conhecimento!

Como funciona o relógio bidirecional?

Imóveis que possuem um sistema on-grid instalado para gerar energia fotovoltaica devem contar com o relógio bidirecional. Ele atuará de forma diferente considerando a movimentação do sol e há de se considerar que existe a mediação em separado da energia consumida e da energia injetada na rede. Durante a noite não há geração de energia solar. Assim, o imóvel consome da distribuidora local toda a energia que consome. O relógio então passa a computar a quantidade de energia consumida pela residência ou empresa. Já quando dia amanhece e o sol surge, a geração é iniciada. Nesse momento, o imóvel passa a consumir a própria energia que gera. Então o relógio deixa de marcar a eletricidade vinda da distribuidora e passa a computar a energia injetada pelo sistema solar, caso haja geração excedente àquela consumida pelo imóvel.

O que muda na conta de luz após a instalação do relógio bidirecional de energia solar?

A partir do momento que o fornecedor concluiu a instalação do sistema fotovoltaico em uma casa ou empresa, a fatura de energia elétrica passará a vir um pouco diferente. Isso porque terminada a execução do projeto, a unidade consumidora já produzirá energia vinda da fonte solar. Então serão vistas na conta de luz duas medições: uma delas é o montante energético que foi usado da distribuidora de energia local e a outra é a quantidade de eletricidade que foi devolvida a essa mesma concessionária, chamada de energia injetada. Essa diferenciação faz-se necessária para fazer o cálculo correto da energia efetivamente consumida. É preciso lembrar que sistemas fotovoltaicos não geram energia durante a noite e, dessa forma, sempre haverá algum consumo da energia fornecida pela distribuidora. Faz-se necessário conhecer a diferença existentes para que a cobrança seja feita de forma correta.

Quais são as medições apresentadas no relógio bidirecional?

A leitura do relógio bidirecional de energia solar causa algumas dúvidas nos proprietários de usinas fotovoltaicas. Contudo, é bem simples verificar as informações nessa peça. A energia que foi consumida pelo imóvel será apresentada normalmente pelo código 003, enquanto a energia que retornou para a rede costuma ser identificada pelo código 103. Quanto ao cálculo da diferença para saber se houve crédito ou débito naquele mês, também não é preciso preocupação, já que tudo é feito de forma automática. Vale lembrar que pode ocorrer a situação na qual o imóvel fica com energia creditícia junto à distribuidora, como quando uma família passa um mês de férias ausente e o imóvel apresenta pouquíssimo consumo.

Como funcionam os créditos de energia solar?

A energia que é produzida pelos painéis fotovoltaicos em excesso é enviada para a concessionária. A boa notícia é que você tem muito a ganhar com isso. Esse procedimento dá origem aos créditos solares. É como se você vendesse o excedente de energia que produziu para a distribuidora, mas a moeda de troca não é dinheiro e sim o abatimento na sua conta de luz. Isso porque terão dias em que o consumo será maior que a produção, como é o caso de dias nublados. Já nos casos de ausência dos ocupantes do imóvel a relação se inverte: a microusina solar gera energia em uma quantidade bem maior do que se dá o consumo. É assim que os créditos são gerados e se não forem consumidos ficam disponíveis para abatimento em contas futuras. As regras básicas para utilizar os créditos de energia solar é estar dentro do prazo de 60 meses de validade. Além do mais, você pode usar essa redução na fatura de outros imóveis, desde que tenham a mesma titularidade e sejam atendidos pela mesma distribuidora de energia.

Por que há diferença entre os valores de energia gerada e injetada?

Existe diferença de valor porque se tratam de medidas distintas. A energia gerada é aferida pelo inversor. Já a energia injetada é calculada pelo medidor. Portanto, é normal serem diferentes, porque uma parcela da energia produzida é usada na casa ou na empresa dona do sistema fotovoltaico. Somente o que sobra é introduzido na rede e registrado pelo medidor. Ou seja, o consumo energético durante o dia faz com que eletricidade injetada e monitorada pelo relógio bidirecional de energia solar não seja igual ao volume produzido. Essa relação foi estabelecida para que não hajam distorções entre o consumo do imóvel e a geração do sistema. Sem isso, haveria mais dificuldade para se ter o payback do investimento feito, ou seja, o retorno do capital aplicado no conjunto de geração de energia solar.

Quem é responsável pela instalação e manutenção do relógio bidirecional?

De acordo com a Nota Técnica da Aneel de número 129, a instalação e manutenção do relógio bidirecional deve ocorrer por conta da empresa fornecedora de energia local. Vale lembrar que somente a mão de obra e serviços relacionados cabe a ela, pois a aquisição do aparelho deve ser feita pelo proprietário do sistema. Conhecer o funcionamento do relógio bidirecional dá mais propriedade de causa para detentores de sistemas fotovoltaicos de geração de energia. Isso melhora a relação de quem investe nesse tipo de tecnologia, contribuindo para o consumo consciente e para uma maior geração de créditos solares. Vale lembrar que esse crédito possui prazo de validade e que precisa ser utilizado dentro do período de vigência. Uma boa solução é ter mais de um imóvel de mesma titularidade para que seja feita uma eventual compensação. Gostou do conteúdo? Então curta a página do Facebook e ajude a ampliar ainda mais a comunidade que preza pela geração de energia limpa!
Related Posts
Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *