Guia completo sobre como fazer um benchmarking no setor de franquias - Solarprime

Guia completo sobre como fazer um benchmarking no setor de franquias

Guia completo sobre como fazer um benchmarking no setor de franquias
As franquias são negócios em alta, que proporcionam diversas vantagens para quem quer empreender, principalmente em termos de rentabilidade e estrutura já consolidada. Porém, como qualquer tipo de negócio, ela exige um intenso acompanhamento do mercado, para que você possa ter sucesso como franqueado. Para isso, uma das melhores formas é apostar no benchmarking. Neste e-book, descubra o que é esse conceito. Saiba também quais são os tipos de benchmarking e sua importância. Além disso, conheça seus benefícios e como colocar essa estratégia em prática, evitando os erros mais comuns. Boa leitura!

1. O que é benchmarking?

A palavra “benchmarking”, traduzida do inglês, significa “avaliação comparativa”. Ou seja, realizá-lo é fazer uma análise de mercado usando os concorrentes como referência. A partir disso, pode-se estudar o seu próprio negócio e o cenário em que está inserido. Contudo, apesar de ser usada atualmente por diferentes empresas, em um mundo cada vez mais globalizado, essa prática não é nova. Suas primeiras origens datam da década de 1970, quando a empresa Xerox, nos Estados Unidos, analisava a concorrência em busca de melhorias. Na década seguinte, o conceito se expandiu para outros países, inclusive, alcançando a indústria automobilística japonesa, que o usou para se fortalecer no setor, ganhar mercados internacionais e, hoje, é tida como referência na área.

Para que serve?

Basicamente, o benchmarking é útil para entender melhor sobre o seu negócio, a partir do que está dando certo em outras empresas. Além disso, ele também serve para descobrir o que não funciona e deve ser evitado. Nesse sentido, pode englobar diferentes segmentos, por exemplo:
  • atendimento;
  • produtos e serviços;
  • marketing;
  • gestão.
De forma geral, cada empresa determina quando o benchmarking deve ser realizado, segundo suas próprias necessidades. Por exemplo, ele pode ocorrer quando o setor passa por uma crise e é possível notar que algumas empresas não são tão afetadas ou se recuperam mais rápido. Ou ainda, quando você quer promover mudanças e precisa observar concorrentes que já aderiram a novas práticas de atuação.

2. Quais os tipos?

Outro fator importante é conhecer os tipos de benchmarking que existem, para que você possa decidir qual análise realizar. Veja alguns a seguir!

Interno

No benchmarking interno, a comparação acontece entre unidades de uma mesma franquia. Com isso, não só é possível observar o padrão estabelecido pela marca, mas identificar erros com cenários parecidos. Além disso, boas práticas trabalhadas em uma unidade podem servir de exemplo para outras.

Competitivo

Como o nome já diz, o modelo competitivo se relaciona diretamente com seus concorrentes. Nesse sentido, uma das maiores dificuldades é conseguir informações reais. Por isso, é preciso utilizar tudo o que a própria marca disponibiliza como material, além de fontes confiáveis que falam sobre ela, para criar uma análise correta e sem deixar a ética de lado.

Funcional

No modelo funcional, o objetivo é encontrar uma boa referência para fazer a análise comparativa. Nesse caso, é possível tanto usar um concorrente direto quanto uma empresa de outro segmento, que se destaca em algo que possa ser útil para você. Por exemplo, com a aplicação de inteligência artificial no atendimento aos clientes, uma empresa pioneira na área pode ser referência para outras, mesmo que de outros mercados, a fim de que essas possam modernizar as suas próprias formas de atender os consumidores.

Cooperativo

No formato cooperativo, que pode acontecer entre empresas de uma mesma área ou não, as marcas criam parcerias, a fim de trocar informações. Nesse caso, surge a vantagem de que o acesso aos dados é muito grande. Com isso, é possível observar diferentes aspectos e tendências. É o exemplo de uma franquia de roupas infantis que pode fazer parceria com uma de brinquedos, já que atendem ao mesmo público. Ou ainda, uma franquia de pizzas e uma de sorvetes, ambas pertencentes ao ramo de alimentação.

3. Qual a importância?

Independentemente dos tipos de franquia, todas elas seguem um formato parecido: contam com um modelo já estabelecido, que deve ser seguido pelo franqueado. Porém, é de extrema importância que você não veja esse fato como uma forma de engessar o seu negócio. Afinal, o mercado está em constante transformação e, mesmo um padrão já testado e aprovado, pode precisar de mudanças em alguns aspectos; especialmente considerando os cenários locais. Sendo assim, realizar o benchmarking é um jeito de adequar melhor a franquia dentro de sua realidade, indo além dos pilares iniciais, mas sem deixar de seguir o padrão característico. Além disso, quando a análise é feita pela franqueadora, pode-se chegar a grandes melhorias que alcançam todas as suas unidades. Isso é útil para descobrir nuances a serem exploradas, que possam destacar seu negócio dentro de um nicho e fazê-lo crescer; algo que faz toda a diferença para alguns modelos, por exemplo, as franquias de baixo investimento.

4. Quais os benefícios para o segmento de franquias?

Saber como fazer um benchmarking com qualidade pode trazer muitos benefícios para a franquia. Confira alguns deles a seguir!

Diminuição de erros

O benchmarking é aplicado com diversas finalidades. Uma delas, é quando a empresa identifica algum problema e procura usar a técnica para resolvê-lo. Outras razões são para buscar melhoria contínua. Portanto, em qualquer caso, a franquia consegue chegar a resultados que contribuem para torná-la mais preparada. Dessa forma, um deles é a diminuição de erros, tanto operacionais quanto de gestão.

Redução de custos

Quando erros podem ser corrigidos ou evitados, você também consegue reduzir os custos da empresa. Isso porque evita-se situações que atrasam o andamento de processos, não se perde tempo e também não é necessário realizar retrabalhos.

Entendimento do público-alvo

Um dos grandes benefícios do benchmarking é que você pode obter dados precisos sobre como um público vê o seu segmento ou empresa. No caso das franquias, é possível entender o impacto da marca como um todo e não apenas como ele vê determinada unidade. Assim, é possível saber como agir com ele dali em diante.

Aprendizado sobre a concorrência

O aprendizado sobre a concorrência oferecido pelo benchmarking é outra grande vantagem da estratégia. Afinal, por meio desse estudo, você pode observar ações que estão dando certo, estudar o histórico de marcas de referência e até analisar o que deu errado com uma marca. Ou seja, cada informação obtida ajuda a aperfeiçoar a sua atuação.

Clareza de mercado

A comparação com outras empresas e a análise de suas atuações também é uma forma de se ter mais clareza sobre o seu mercado. Por exemplo, você pode observar três marcas distintas, que apresentem algum padrão sobre determinado fator. Com isso, é possível seguir a tendência identificada e até melhorá-la, buscando uma forma de aplicar ideias novas. A partir disso, podem surgir insights sobre novos produtos, que a franquia pode explorar.

5. Como colocar a estratégia em prática?

Para aplicar o benchmarking, é importante considerar alguns aspectos. Afinal, é uma ação que deve ser bem pensada, para não ser feita de forma errada. Saiba alguns deles a seguir!

Estabeleça seus objetivos

Olhando para a sua franquia, é importante determinar as razões de pôr que vai fazer o benchmarking. A partir disso, você pode estruturar seu plano de ação definindo:
  • o tipo de informação que está procurando;
  • indicadores qualitativos e quantitativos que vai usar;
  • métodos de pesquisa;
  • canais das empresas nos quais pode pesquisar, como blogs;
  • formas de como o público reage, por exemplo, analisando avaliações;
  • ferramentas de análise de sites e blogs, que podem oferecer informações relevantes;
  • eventos e ações que a empresa realiza e você pode participar.

Escolher o modelo de benchmarking

Como você viu, existem diferentes tipos de benchmarking. Sendo assim, é preciso definir com qual você vai trabalhar, escolhendo com base nos objetivos que quer alcançar. Caso pretenda usar mais de um, é fundamental que as informações estejam correlacionadas e façam parte de uma estratégia maior.

Procure empresas de destaque

O ideal é encontrar empresas que já tenham um histórico para você analisar. Por isso, prefira as organizações que já atuam há alguns anos no seu setor e não alguém que está começando e pode não ter tantos dados a oferecer.

Extraia os pontos principais

Em uma análise, são obtidos diversos tipos de dados, inclusive, aqueles que surgem sem você ter programado, mas que podem apresentar um cenário importante a ser investigado. Sendo assim, na hora de analisar tudo o que conseguiu, é importante extrair apenas os principais, tanto para alcançar clareza e agilidade, quanto para determinar corretamente as próximas ações.

Considere a opinião da equipe

De posse dos dados, é importante que você os compartilhe com sua equipe. Afinal, eles trabalham no dia a dia de sua empresa e podem identificar rapidamente cenários que acontecem com ela ou que podem ser algo interessante a se seguir.

Realize testes e planeje ações

Por fim, antes de realizar qualquer mudança, é importante concluir o que fazer com esses dados e aplicar testes. A partir deles, você conseguirá identificar a melhor forma de trabalhar e planejar as ações certas, para implementar o que precisa ser corrigido, mudado ou melhorado.

6. Quais os erros a serem evitados?

Além de saber o que fazer no benchmarking, também é preciso ter atenção ao que não fazer. Ou seja, quais erros podem ser cometidos nesse processo e por que é importante evitá-los. Confira alguns deles a seguir!

Não compreender o seu negócio

Mais do que aprender como fazer um benchmarking, é importante que você saiba que, apesar das inúmeras possibilidades de aplicação, nem tudo é adequado para a sua empresa. Ou seja, você pode chegar a conclusões incríveis, porém, não ter a maturidade empresarial suficiente para aplicar essas ações. Sendo assim, é preciso que você evite altas expectativas e realize apenas o que pode fazer e trazer resultados reais.

Copiar o concorrente

Apesar de a análise da concorrência mostrar caminhos que você pode seguir, também é importante evitar uma situação grave, mas comum: a cópia de cada coisa que deu certo para a outra empresa. Isso porque ela está sob diferentes condições, portanto, não significa que funcionará com você. Além disso, quanto mais você copia, mais se perde em sua própria identidade e se torna dependente dos outros.

Não medir resultados

Outro erro que você deve evitar a todo custo é coletar informações e não medir corretamente os resultados. Afinal, cada dado obtido deve ser visto dentro de um contexto. Portanto, suas ações devem ser sempre baseadas em mais de um indicador real, que possa provar que sua empresa está apta a realizar o que pretende.

Comparar com as empresas erradas

No benchmarking funcional, você pode usar empresas de outros segmentos como referência. Porem, é preciso cuidado. Afinal, quando você identifica determinadas falhas ou precisa aprender como aplicar tendências específicas, é importante comparar com quem está no mesmo mercado que você. Por outro lado, isso não significa se limitar aos concorrentes que vendem exatamente o mesmo produto. Afinal, dentro de uma área, há também os concorrentes indiretos. Por exemplo, no setor de entretenimento de um shopping, cinema e boliche são segmentos distintos, mas ambos podem disputar um mesmo nicho de público: o que não sabe o que escolher para se divertir.

Fazer comparações incoerentes

Seguindo a linha de escolher empresas erradas para comparar, você corre o risco de fazer análises incoerentes. Por exemplo, ao selecionar um concorrente de grande porte, você pode se inspirar em suas ações e obter dados interessantes. Porém, é preciso ter bom senso. Afinal, se você for uma franquia de pequeno porte ou mesmo uma microfranquia, pode ser que você não tenha suporte para realizar o que o concorrente fez, mesmo em uma escala menor. Com isso, não alcançará resultados parecidos e ficará frustrado. Por exemplo, algumas ações, principalmente feitas para determinados públicos, dão certo exatamente pelo forte poder da marca e seu tamanho. É o caso de oferecer um grande desconto no final do ano ou fazer uma promoção dando produtos gratuitos. Nesse caso, se você ainda não é tão conhecido e quiser fazer uma estratégia similar, pode não alcançar o mesmo engajamento ou até ter problemas, por exemplo, a falta de produtos ou gastos inesperados; algo que pode prejudicar você financeiramente e causar a frustração no público. O mundo das franquias tem alta concorrência, inclusive direta e indireta. Por essa razão, mesmo contando com um modelo padronizado e testado é preciso ter atenção ao seu mercado. Para acompanhar tendências e sempre inovar, uma das melhores estratégias é aprender como fazer um benchmarking. Mas, para isso, realizar um bom planejamento e tomar decisões coerentes é fundamental para que, mais do que pesquisar os concorrentes, você possa aplicar mudanças valiosas em sua franquia.
Related Posts
Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *